From the daily archives:

Sexta-feira, Novembro 27, 2009

Desemprego em Arouca desce em Outubro

por Pedro Sousa em 27 de Novembro de 2009

em Arouca

Em termos de variação mensal o desemprego registado desceu ligeiramente em oito concelhos (Águeda, Arouca, Mealhada, Oliveira de Azeméis, Oliveira do Bairro, Santa Maria da Feira, São João da Madeira e Sever do Vouga) dos 19 que compõem o Distrito de Aveiro.

{ 3 comentários }

A CLAREZA NECESSÁRIA

por Pedro Sousa em 27 de Novembro de 2009

em País

Jaime Gama, Presidente da Assembleia da República parece decidido a moralizar as imoralidades que, muitas vezes, são levadas a cabo pelos nossos representantes.

A primeira medida foi acabar com o desdobramento das viagens.

Agora, pretende que deixe de ser possível justificar uma falta de um deputado apenas com a indicação de “trabalho político”. Actualmente, mesmo que o deputado esteja numa praia a beber uns canecos, se justificar com “trabalho político” a falta fica justificada.

Jaime Gama pretende agora que esse “trabalho político” seja detalhado. 

A deputado do PSD Clara Carneiro já foi dizendo que os deputados podem não querer que se saiba em que “trabalhos políticos” andam metidos

{ 1 comentário }

Acho natural que haja quem não gosta de Sócrates…

por Pedro Sousa em 27 de Novembro de 2009

em País

Acho natural que haja quem não gosta de Sócrates, não gosta da sua política, não gosta da pessoa, até quem tenha dúvidas acerca do seu carácter. Acho natural e legítimo que haja quem se empenhe em remover o actual Primerio Ministro do seu cargo quanto antes.
O que me indigna profundamente é que em Portugal haja tanta gente, mesmo pessoas com grandes responsabilidades políticas e cívicas que não olham aos meios como fazem.

[...]

Do ponto de vista jurídico, está assente que não existe matéria criminal nas escutas ao Primeiro Ministro. Sabemos, através de meios ilícitos, que nem todos os agentes jurídicos neste caso concordaram, mas isto não altera o resultado jurídico deste processo. Sobre a actuação destes agentes, há uma certeza que é a fuga da informação, em violação do segredo de justiça. Essa exige uma investigação e resposta criminal.
De resto há opiniões.

[...]

Quanto ao Primeiro Ministro, sei – não devia saber, mas sei – que há dois magistrados que o acham suspeito de um crime grave. Sendo contrariada por outra instância competente, é uma opinião sem valor jurídico, passa assim a uma opinião privada, embora de pessoas com formação jurídica e acesso a informação de que eu não disponho: as escutas.

[...]

O que não é ímoral mas ao contrário a coisa mais correcta de fazer é tomar este boato como ponto de partida para investigar o assunto. Esta investigação pode e deve ser levado a cabo pela comunicação social, pela oposição, por qualquer cidadão interessado. Ela não está restringida, como a da justiça, à questão do foro criminal.
Far-se-á não com base dos elementos de que não dispomos e não temos direito de dispôr, mas outros.

aqui

{ 2 comentários }