DIZIAM QUE ERA CORTAR NA GORDURA DO ESTADO… É TRISTE

por Pedro Sousa em 21 de Março de 2012

em País

«Na urgência de Odemira, “há duas semanas que não há soro” habitualmente usado nos hospitais. “Temos que nos desenrascar com outros tipos de soros”, diz [Denis Piztin, médico em Odemira]. “Há sempre falta de medicamentos essenciais”, entre os quais medicamentos para evitar os vómitos ou reagentes laboratoriais como, por exemplo, tropomina, fundamental no diagnóstico de enfarte. “As populações destas localidades estão evidentemente em risco”, afirma o médico. (…) À falta de transportes públicos, soma-se o mau estado das estradas, cheias de curvas e buracos, por onde as ambulâncias têm muitas vezes de passar para ir buscar doentes.
(…) Os efeitos da redução dos transportes de doentes financiados pelo Estado são já notórios. Face a uma situação de urgência, as pessoas que vivem em “povoações muito isoladas” e cujas reformas “mal dão para comer” ou conseguem uma boleia, ou alugam um táxi ou ficam à espera de piorar para que o INEM aceite ir buscá-las sem terem de pagar, conta Pedro Rabaça [enfermeiro no Hospital de Portalegre].»

jornal Público

{ 3 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 F Santos 21 de Março de 2012 às 9:12

“Hospital de Cascais pede aos familiares dos doentes para comprar na farmácia medicamentos que diz não ter disponível”. Diário de Notícias, 13 de Abril, 2011
“A Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo considera inadmissível que os doentes internados nos hospitais tenham de levar os medicamentos de casa. Por isso, pede aos utentes que denunciem estas situações.” TSF, 14 de Abril, 2011
“Funcionários do hospital de Braga denunciam falta de medicamentos e material” Público, 5 de Fevereiro, 2011
“Depois das taxas moderadoras, os desempregados e pensionistas ficam hoje também a saber que vão pagar o transporte de ambulâncias em caso não urgentes.” TSF, 30 Dezembro, 2011

Vais insistir nessa forma de fazer política?

Responder

2 Pedro Sousa 5 de Abril de 2012 às 13:15

Então mas Fernando,

Estes nao se candidataram a dizer que eram diferentes dos outros?? Que lógica tem dizer agora – como defesa – que fazem o mesmo?

Responder

3 INQUIETO 21 de Março de 2012 às 14:48

olá

vivam!

muito bem! as coisas são para se assumir frontalmente!!

se tinham uma ideia e agora não conseguem por em prática, retratem-se!

governar não é só falar mal dos outros. é apresentar soluções e fazer!

para todos os problemas há sempre mais do que uma solução.

algumas soluçoes que foram adoptadas parecem-me desproporcionadas!! mas não conheço toda a realidade. dou-lhe o benefício da dúvida! enquanto houver dúvidas! pq a partir do momento em que não haja e as coisas estejam claras, rua com os mentirosos.
foi assim que fiz com o sócrates!! lembram-se, mandei-o para a rua!!

sou da opinião que o ministério da saúde tem meios e obrigação de clarificar as coisas.
tem tb obrigação de não se vergar aos acomodados e esquerdistas.

mas tb sou da opinião que o seguro, nesta matéria só fala. se acrescentar algo positivo, eu assino logo por bx.

um abraço
inquieto

Responder

Anterior:

Seguinte: