ESTÁ DIFÍCIL PERCEBER ESTE PSD

por Pedro Sousa em 5 de Outubro de 2010

em País

A 22 de Abril o PSD propôs no parlamento o corte de 1700 milhões de euros em gastos supérfluos do Estado. A 30 de Agosto Passos Coelho estava a redigir um orçamento alternativo, mas terá mudado de ideias e passou a exigir que fosse o PS a ter ideias e a apresentar um orçamento. A 25 de Outubro Passos Coelho dizia que cabe ao Governo encontrar alternativas. Agora Pedro Passos Coelho cria um site para lhe fazerem sugestões para o corte nas despesas intermédias.

O PSD lança na segunda-feira uma página na Internet destinada a recolher sugestões dos cidadãos para reduzir as despesas de funcionamento dos serviços públicos, das quais algumas podem ser propostas na discussão sobre o próximo Orçamento do Estado.

«O site — www.cortardespesas.com — é uma iniciativa do gabinete de estudos do PSD e pretende promover “um ‘brainstorming’ colectivo sobre a redução da despesa” do Estado, explicou à Lusa o presidente desta estrutura social democrata, José Manuel Canavarro.

“Queremos ouvir as pessoas, o funcionário do Estado, o colaborador duma empresa pública, o funcionário duma autarquia, o empresário que se relaciona com o Estado, o cidadão comum que procura serviços públicos, do estudante ao pensionista. Acreditamos que as pessoas podem dar ideias e definir acções importantes para que se possa fazer melhor com redução da despesa, sem prejudicar a qualidade do serviço prestado”, afirmou.» [Público]

Nem vale a pena recordar os debates das directas do PSD onde Pedro Passos Coelho derrotou os seus adversários garantindo que o seu grupo de sábios tinham solução para cortar a despesa pública. Aos poucos vamos percebendo que Passos Coelho sabe tanto de orçamento como eu sei de lagares de azeite, que trata de questões tão importantes como o OE sem o mais pequeno snetido de Estado e que continua a confundir o país com uma associação de estudantes.

Blog O Jumento

{ 13 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 inquieto 5 de Outubro de 2010 às 10:01

olá bom dia,

concordo parcialmente com algumas observações.

Devia, qualquer partido sério, ter colocado os números todos em cima da mesa, há já muito tempo!

Neste momento qualquer partido sério teria menos valor nas sondagens mas teria dado um contributo muito decisivo aos portugueses!!

Teria, esse partido sério, dado o caminho ao Sócrates, e ele teria recusado, vindo depois a escolhê-lo.

A MFL já tinha razão há uns bons pares de anos…

um abraço
inquieto

Responder

2 F Santos 6 de Outubro de 2010 às 9:08

Disse Teixeira dos Santos na AR
“… se alguém souber onde se pode cortar a despesa, que diga!”

E eu pergunto-me: afinal é o líder do PSD que não sabe de orçamento?
Se quem governa as contas anda à toa sem saber o que fazer (há muito tempo), exige-se à oposição solução para o problema das contas?

Então só se confirma que vamos ter um péssimo orçamento: assente em previsões desconhecidas, sem previsão de crescimento e com uma única certeza: os impostos vão aumentar, assim como a despesa.

E daqui só se pode tirar uma conclusão: neste governo impera definitivamente a balbúrdia e o desnorte completo.

Demitam-se. Já não têm mais nada a acrescentar.

Responder

3 Pedro Sousa 6 de Outubro de 2010 às 22:37

Caro F Santos,

O Governo sabe bem o que pretende fazer, daí ter já apresentado medidas.

O PSD é que fala em cortar a despesa e não aponta nada onde o fazer. O papel da oposição é o de apresentar alternativas. Não o fazendo, de que forma avaliará o eleitorado a sua atuação? Cabe à oposição ser eleita apenas pelo desagrado quanto ao Governo ou ser eleita fruto de propostas e ideias para o país?

Aliás o PSD tinha dito que ía trabalhar num orçamento alternativo, portanto era expectável que tivesse já ideias, mas parece que não as terá. Com disse o vice-presidente do PSD Leite de Campos ao Jornal de Negócios “Há muita coisa onde cortar. Se o Governo não sabe, que consulte um economista.” Eis o contributo…

Responder

4 Observador 7 de Outubro de 2010 às 9:49

Ó F Santos, não vês que o PSD na oposição é que tem que governar! Tem que dar contributos! A culpa é toda do PSD! Aliás, o PSD é Governo há mais de 10 anos… Ainda há pouco teve uma maioria absoluta… Caramba não percebes nada!

Responder

5 Observador 7 de Outubro de 2010 às 9:51

O PS e o Sousa andam desesperados porque o PSD não dá ideias nem contributos… Coitado do Governo… Não sabe o que fazer… Tem cuidado com o que escreves Pedro, já reparaste no mal que fazes ao teu partido e teu Governo.

Responder

6 Pedro Sousa 8 de Outubro de 2010 às 0:03

Caro Observador,

Não sou eu que digo…
O próprio PSD escreve num dos seus sites “O PSD como partido líder da oposição e como alternativa de Governo deve oferecer, com estabilidade e numa visão de médio prazo, uma proposta de governação para Portugal“. E que proposta é essa? O que se conhece? Ainda hoje disse Passos Coelho que não está disponível para formar Governo caso Sócrates se demita. Falta de coragem, provavelmente fruto da falta de ideias.

Responder

7 F Santos 8 de Outubro de 2010 às 16:00

Caro Pedro, lembras-te como saiu Guterres do governo? Eu já escrevi anteriormente que Sócrates se prepara para abandonar o país como aconteceu com Guterres. Já está a preparar terreno.

Quanto a Passos Coelho concordo totalmente que só aceite governar depois de sufragado pelo eleitorado. E Sócrates, se tem tanta confiança em si próprio, tem bom remédio: demite-se e apresenta-se a eleições. Se vencer, terá toda a legitimidade para pôr em prática as suas ideias.
Agora, é óbvio que isso não acontecerá: se se demitir, deserta como fez Guterres… e deixa a factura para o PSD pagar. E depois quem é o mau da fita? O PSD, claro está!!
Vai uma aposta?

Responder

8 F Santos 7 de Outubro de 2010 às 17:36

Caro Observador
Tem razão… sempre o PSD.

Caro Pedro,
Cortes na despesa dos Institutos públicos, empresas públicas, despesa do sub-sector estado, só para te dar 3 exemplos de ideias de corte do PSD (e do CDS, justiça seja feita).

Solução do PS: aumenta-se o IVA em 2 (!!!) %, corta-se o abono de família, reduzem-se as deduções fiscais, aumentam-se os impostos sobre as empresas, e por aí adiante. Ou seja, reduz-se ao mínimo possível o dinheiro disponível nos bolsos dos portugueses.

Os senhores administradores públicos, entre tantas outras coisas, podem continuar com o plafond de 5000€/mês no cartão dourado, trocar de BMW sempre que quiserem e continuar com os vencimentos obscenos + despesas.
Continuemos a gastar 9 milhões de euros, sempre que apetecer, a trocar a frota automóvel da malta do PS lá nas empresas públicas. Continuemos a aceitar reformas de 200€ e a cortar nas comparticipações dos medicamentos dos mais idosos. Continuemos a não colocar os professores (no ano passado, ano de eleições, já tinham sido colocados mais 20 mil professores que este ano). Continuemos com políticas que levam o desemprego para taxas record atrás de record e, simultânemamente, diminuemos os apoios sociais a quem está desempregado involuntariamente. Continuemos com a justiça vergonhosa, a saúde doente.
Façamos pontes sobre o Tejo, aeroportos em Lisboa e TGV. Deixemos o resto do país ao abandono. Coloquemos portagens nas poucas estradas de jeito do norte e centro do país.

Esta é a sina deste país enquanto este senhor que diz ser Engenheiro continuar PM.

Responder

9 Pedro Sousa 8 de Outubro de 2010 às 18:57

Caro F Santos,

Dizer “Cortes na despesa dos Institutos públicos, empresas públicas, despesa do sub-sector estado, só para te dar 3 exemplos de ideias de corte do PSD (e do CDS, justiça seja feita)” é conversa de café, isto é, são coisas que tu, eu e muitos dizemos no café. Aos políticos com responsabilidade pede-se mais. Quais institutos? Cortes em que rubricas? Que obras se fazem e quais se deixa de fazer? Etc, etc…

Pelo menos é isso que eu espero de alguém que pretende ser Primeiro Ministro.

Responder

10 F Santos 12 de Outubro de 2010 às 8:56

“Pelo menos é isso que eu espero de alguém que pretende ser Primeiro Ministro.”

Olha, eu digo-te que é isso que espero de quem está a governar, quem tem obrigação de conhecer os nºs melhor que ninguém.
Essa de estarem constantemente a pedir ao líder da oposição que governe o país, pedindo ideias sobre onde cortar, só se vê em Portugal. Só atesta a incompetência e incapacidade de Sócrates e Teixeira dos Santos.

“Aos políticos com responsabilidade pede-se mais.”
Pois pede, pede-se que cumpram os compromissos e encontrem soluções para os problemas, coisa que está à vista de todos, o governo PS não consegue.

Este governo está gasto e incapaz. Assumam essa realidade. Sócrates nunca deveria ter-se apresentado nas últimas eleições. Teríamos sido poupados a esta inacreditável confusão.

Responder

11 Azevedo 7 de Outubro de 2010 às 22:31

Entre o engenheiro Sócrates e o Dr. Passos Coelho os percursos são semelhantes e as ideais não serão tão distantes! Ao segundo distinga-se a graça de nunca ter governado!
Os políticos portugueses, salvo honrosas excepções, são indivíduos que desconhecem o que é o sentido de honra e de serviço público.
Os portugueses deviam ler com verdadeira atenção o mais recente número da revista ”Sábado” e tirarem as respectivas conclusões sobre os verdadeiros autores da desgraça…

Responder

12 Azevedo 10 de Outubro de 2010 às 10:50

Noutro país , um pouco mais informado, há mentiras que não passariam mas é o país que temos! Uma das mentiras mais frequentemente repetidas, também pelos comentadores encartados das televisões, é que um dos problemas do país é o da despesa pública. Essa despesa é de cerca de 50 % do PIB, em linha com os restantes países da UE. O grande problema do país é do endividamento externo, ou seja, não conseguimos produzir aquilo que gastamos nem exportamos o suficiente para gerar lucros.
Destruído muito do sector produtivo nacional em acordos como a PAC,(agricultura) POP (acordo plurianual relativo à pesca) , Portugal já pouco produz.
Sintomático de tudo isto, e embalados pelos subsídios que iam entrando de Bruxelas, alguns dos autarcas nacionais decretaram o fim da Agricultura e auguraram a ”Era dos Serviços”. Parecia que o país iria prosperar a viver nos gabinetes! Não há nada de mais errado do que encerrar a história e pensar que da nossa actualidade sabemos todo o futuro. Foi por isso isso que num dos terrenos mais férteis do país, como é o vale de Arouca, se constroem casas nos locais mais favoráveis à agricultura ou, até, viadutos! !!

Responder

13 joaquim toscano 13 de Outubro de 2010 às 22:45

Alto e pára o baile…
O problema “major” é que a mentira…
De tão repetida…começa a ser verdade!
E só os srs doutos deputalhados e afins é que podem
falar, e opinar desalmadamente acerca do lamaçal…
Ás vezes sinto-me enxovalhado…por ser
Português……………………….S,JB

Responder

Anterior:

Seguinte: