From the daily archives:

Domingo, Outubro 21, 2007

Doente ou coitadinho?

por Pedro Sousa em 21 de Outubro de 2007

em Sem categoria

Temos vindo a assistir a várias queixas em reacção a decisões de juntas médicas, trata-se, em regra de profissionais que sofreram de um cancro que de alguma forma limitou as suas capacidades. O último caso refere-se a uma professora do ensino primário que por lhe ter sido retirada parte da língua tem algumas dificuldades em falar.

Deve um cidadão nestas condições ser aposentado? Da mesma forma que não considero alguém que tenha sobrevivido a um cancro como um coitadinho não me parece que ter padecido dessa doença seja motivo para que o funcionário beneficie de uma aposentação. Se o funcionário em causa não puder dar o seu contributo com as suas habilitações porque a doença o incapacitou concordo, mas se assim não suceder não me parece que a solução seja a aposentação.

Se o Estado tem funções a atribuir à professora em causa respeitando a sua dignidade profissional não há razões para que seja aposentada. Não é aceitável que seja despromovida para jardineira, mas se, por exemplo, ficar responsável de uma biblioteca nada justifica a aposentação a não ser um tratamento de “coitadinha”, tratamento de que muitos outros cidadãos com dificuldades maiores não beneficiam.

daqui: http://jumento.blogspot.com/2007_10_21_archive.html

***************************************************************

O autor deste blog põe o dedo na ferida. É óbvio que quem padece de um cancro merece todo o apoio, mas todos conhecemos casos (felizmente) de pessoas que tendo passado por esse difícil desafio, conseguiram vencer e continuar a sua vida. Portanto, cancro não pode ser igua a aposentação. Doente não é o mesmo que incapaz ou incompetente. Não vamos generalizar. As Juntas Médicas que cumpram verdadeiramente o seu papel, separando os casos que são efectivamente dramáticos, daqueles onde alguns aproveita o infortúnio para antecipar a reforma.

{ 3 comentários }

Os idiotas dos racistas andam aí…

por Pedro Sousa em 21 de Outubro de 2007

em Sem categoria

«Djariatú Fatú Lopes Mané estava com o filho Rui, de três anos, num parque infantil em pleno centro de Braga, em frente à igreja dos Congregados. Vigiando as brincadeiras do petiz, alarmou-se quando os pais de outra criança forçaram o Rui a sair do baloiço, para que o filho deles ocupasse o equipamento. “Vi o meu filho a ser arrancado pelo senhor, caindo no chão com o lábio superior a sangrar. Corri em auxílio, perguntando o porquê de tal barbaridade. Ele respondeu “O meu filho está no seu país e tem todo o direito de estar no baloiço que o seu filho está a ocupar indevidamente”.»

Notícia do Jornal de Notícias

{ 0 comentários }

Santana Lopes aos zigue-zagues

por Pedro Sousa em 21 de Outubro de 2007

em Sem categoria

O que disse PSL à Revista Sábado em Fevereiro:
Não tenho nenhum prazer em exercer aquelas funções [de deputado]”

O que disse PSL à mesma revista na semana passada:
Gosto de estar no parlamento com muito trabalho; não gosto de estar no Parlamento com pouco trabalho.

****************************************************

Não sendo do meu partido, agradeço este regresso de PSL à vida politica activa. E para além de mim, tenho a certeza que humoristas, caricaturistas e cartoonistas também

{ 1 comentário }