QUE DEUS ME PERDOE…

por Pedro Sousa em 28 de Outubro de 2009

em País

… mas quantos fieis pretende perder a Igreja ao deixar que um Padre que assume ter armas em casa continue a rezar missas como se nada tivesse acontecido?

{ 3 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 joaquim toscano 28 de Outubro de 2009 às 22:59

Caro Pee
Reza-se o Pai Nosso, se não soubermos dialogar directamente com ELE, porque assim está escrito: rezemos confiantes a oração que…
Reza-se a Ave-Maria “ Rezem o Terço (do Rosário) todos os dias…”
A MISSA é outra questão.
Este teu curto comentário denota uma muito deficiente educação catequética ( de infância, adolescência e catequese de adultos, reflectida…) que qualquer miúdo de dez anos, isso mesmo à Jorge Gabriel, te corrigiria.
A Missa é uma Celebração; não se reza, celebra-se, recria-se, recorda-se “fazei isto em memória de MIM”, com possibilidade até de celebração teatral – Missa dos Kilombos,.. e outras situações – a Paixão- Jesus Christ Super Star, quer o filme (já eras nascido? –NÃO) quer a recente peça do La Féria e etc e etc e etc.
Mas…há ainda partes mais sérias; sabes que um padre, por mais pecador que seja, pelo direito canónico (à semelhança da Constituição da República Portuguesa e de todos os códigos de direito, às vezes tortos, daí derivantes) porque investido pelo Sacramento da Ordem mantém os poderes daí advindos?
Não deverás também generalizar para o Crime do Padre (será Amaro?) só por que é coleccionador, caçador, ou, porque nem sempre a Graça Divina nos Protege e umas fuscas á mão para autodefesa dão sempre jeito ( também vejo os Gatos quando posso).
Cá por mim, estarás convertido bem mais cedo, porque és Pedro, que o cardo Saramago.
Agora…se o homem saiu em liberdade, com a medida de coacção mais comum:
Quem és tu, para até prova de culpa, impedir o homem de continuar a exercer o seu múnus?

Responder

2 Pedro Sousa 29 de Outubro de 2009 às 9:43

Caro Joaquim Toscano (que agora já identifiquei nas brumas da minha memória),

O meu ponto não tem a ver com a prova de culpa de traficar ou não armas… isso fica para os tribunais.
O que censuro é que um padre que assume na TV que tem armas para uso próprio (e não são armas de caça, o que também seria grave) continue a merecer por parte da estrutura da igreja a confiança para celebrar eucaristias.

A somar a isto, em ponto nenhum das declarações que ouvi do Padre este mostrou arrependimento, condição sine qua non para o perdão.

Just that…

Responder

3 F Santos 30 de Outubro de 2009 às 11:15

Pedro, como socialista deverias ignorar tudo o que diga respeito à igreja. Por princípio, vocês não acreditam em nada disso! Que o diga o fundador do teu partido, Mário Soares.

Responder

Anterior:

Seguinte: