CONSTATAÇÕES

por Pedro Sousa em 29 de Setembro de 2009

em País

Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O PS ganhou as eleições. A comprová-lo está o facto do Presidente da República vir a convidar Sócrates para formar o próximo Governo.

Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O PSD perdeu as eleições. Não só para o PS, como para o CDS/PP. A demagogia da mentira da verdade, o conservadorismo de Ferreira Leite, a intriga, a conspiração, a maledicência, a falsidade e a arrogância foram fortemente penalizados pelos eleitores.

Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O CDS/PP ganhou o prestígio da direita que há mais de duas décadas não tinha. Derrotou o PSD retirando-lhe uma boa fatia do eleitorado, contribuiu para esvaziar a maioria absoluta ao Partido Socialista e marcou a diferença entre a direita civilizada e a outra que estava convencida que tudo valia para atingir os seus fins.

Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O BE ganhou o prestígio da extrema-esquerda. Nunca em Portugal, nem sequer no tempo do PREC, a extrema-esquerda tinha conseguido tão bons resultados. Passou o PCP em importância e implementação, contribuiu para retirar a maioria absoluta ao Partido Socialista e demonstrou que o enquistamento do PCP num modelo recusado em todo o Mundo é o corolário das doutrinas retrógradas que os comunistas insistem em considerar como válidas.

Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. O PCP é o grande derrotado da esquerda. Perdeu posições para todos, deixou de ser a referência da esquerda das esquerdas.

Para quem ainda tinha dúvidas fica a constatação. A democracia é, continua a ser, o regime de preferência da esmagadora maioria dos portugueses. Derrota os abstencionistas, derrota a extrema-direita, derrota os defensores do não-voto. Confirma que o poder está nas nossas mãos, ainda que seja só no momento das escolhas.

daqui: http://blogs.publico.pt/eleicoes2009/

{ 2 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 joaquim toscano 29 de Setembro de 2009 às 18:55

Vem-me à memória uma frase
( e vem-nos à memória uma frase batida… hoje é o primeiro dia do resto…)
que ouvi da boca de um dos” loucos iluminados”:
“…mas em democracia, é o povo que elege os seus carrascos”.
Será apenas essa a diferença entre ditadura, e democracia?
E como se mede? com números ditos esmagadores?
Apetece-me dizer como o o outro: “No meu tempo não era esta pouca-vergonha – havia respeito e…mai nada! e quem não estiver bem, vá dar banho ó cão e se lave na mesma água”.
Temos de facto o que merecemos???

Responder

2 Pedro Sousa 30 de Setembro de 2009 às 9:18

Caro Joaquim Toscano,

Continuo a deliciar-me com os seus comentários… por favor vá voltando. Ainda que, confesso, muitos deles vão “beyond my imagination”.

Agora, ando aqui a roer-me sobre a sua identificação :D … se bem que, mais importante (mas não irrelevante) que o mensageiro é a mensagem.

Responder

Anterior:

Seguinte: