O que eu gostava de ter escrito V

por Pedro Sousa em 4 de Fevereiro de 2008

em Com a devida vénia,País

Daí que reformar o SNS, rumo a um modelo mais sólido no futuro, implica um longo trabalho de compromisso e negociação que se tornou impossível com o contexto criado. E o contexto, em política, pode ser quase tudo. Não vale a pena insistir que o 112 existe agora em todo o país, que os partos em ambulâncias diminuíram realmente de 2005 para 2006 e de 2006 para 2007. A vida nem sempre se faz de factos, por mais que eles sejam verdadeiros. O ruído e o nevoeiro da demagogia impossibilitam os factos, a vida e a verdade. O dr. Ribau e o dr. Menezes, que há uns tempos se deslocaram às manifestações nas urgências de Anadia para os telejornais das 13h, estão tão preocupados com o futuro do SNS como o regicídio de há 100 anos. Mas a política é assim. A saída de Correia de Campos, que se tornou inevitável com tudo isto, permitirá reequacionar algumas opções tomadas no seu difícil trabalho destes dois anos e relançar a confiança com todos os utentes do SNS.

texto completo aqui: http://kontratempos.blogspot.com/2008/02/servio-nacional-de-sade.html

Anterior:

Seguinte: