Sobre o livro de Passos Coelho (lido por aí…)

por Pedro Sousa em 27 de Março de 2011

em País

Pedro Passos Coelho, naquele estilo do «agarrem-me senão eu mato-o», apresentou um livro onde se podem encontrar 365 medidas de um seu próximo governo. Para tal, auscultou 55 empresários e gestores de empresas; nem um médico, nem um juiz, nem um professor, nem um trabalhador, nem um engenheiro,  nem um advogado, nem um arquitecto, nem um enfermeiro, nem um… Percebe-se para quem ele quer governar.

Fernando Mendes

{ 7 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 inquieto 29 de Março de 2011 às 9:32

ora vivam lá!!

também concordo contigo.

são medidas a mais, é pressa a mais!

se ele olhar para os profs como tu olhaste até aqui, está tudo dito!!
se o fizer em relação aos médicos tb estamos conversados!! ah e os enfermeiros, que foram muito bem considerados! quanto aos advogados e arquitectos, é melhor parar para ouvir o silêncio deles!!

Mas não te esqueças, se ele ouvisse os solicitadores, notários, contabilistas, canalizadores, electricistas, motoristas, porteiros e parteiras, sim senhor, ai sentiria as dores… e tenho a certeza que depois ouvia o PROZAC.

um abraço

inquieto

Responder

2 Azevedo 30 de Março de 2011 às 8:02

É verdade! Não esqueçamos, porém, que, com um discurso social democrata, de esquerda, o PS foi o governo mais à direita desde Abril de 74. Exceptua-se a isto três ou quatro medidas…

Responder

3 F Santos 30 de Março de 2011 às 9:15

Com Sócrates, não há médicos de família, há menos professores, há cada vez menos trabalhadores (desemprego há mais!), os engenheiros não se queixam de nada (Pelo menos os da Mota Engil, enquanto o Jorge Coelho for CEO), os advogados continuam em estágios não remunerados, os enfermeiros ganham 900€ e vão todos para Inglaterra…

Passos Coelho quer governar para as empresas, dizem.

Sócrates desgovernou-nos. É a diferença.

Responder

4 Azevedo 31 de Março de 2011 às 0:09

O que o PSD prepara é o rapar do que resta do tacho: entregar aos privados a saúde a educação! Mas, convenhámos, o PS tem muita culpa nas portas que se abriram…

Responder

5 José Ferreira 31 de Março de 2011 às 15:07

É um fartote de riso sempre que visito este blog. Se não é do cú, é das calças! LOL!!
Se o homem apresenta propostas, é porque apresenta propostas; se não apresenta, é uma aventura ao desconhecido. Se os rosinhas se decidissem, dava jeito. Passos Coelho está decidido a mostrar que tem credibilidade (pode ser bem sucedido ou não, ainda não me dispus a verificar isso). O que é certo é que em termos de credibilidade, o partido do Governo não é NINGUÉM para acusar. Quando apresenta um défice de 6,8%, e verifica-se mais à frente que o cálculo estava mal feito e a realidade é que era de 8,6%, meus senhores, das duas uma: ou quem faz isto é burro por natureza, ou mentiu ao País. A minha opinião? Acho que um pouco das duas.

Responder

6 Pedro Sousa 1 de Abril de 2011 às 22:51

Comissão Europeia refere que “o instituto de estatística de Portugal está simplesmente a implementar os métodos contabilísticos europeus”.
As revisões efectuadas aos défices orçamentais de Portugal nos últimos anos não representam qualquer engano ou mentira, esclareceu hoje o porta-voz da Comissão Europeia.
Não, Portugal não mentiu nas suas estatísticas”, afirmou o porta-voz, quando questionado pelos jornalistas em Bruxelas sobre a revisão dos valores dos défices orçamentais de Portugal nos últimos anos.
Citado pela agência Dow Jones, a mesma fonte esclareceu que “o instituto de estatística de Portugal está simplesmente a implementar os métodos contabilísticos europeus”.

Responder

7 inquieto 7 de Abril de 2011 às 12:00

oi!
oi!

hoje tou falando assim!

oh cara!

mais será qui os mércados tb estão adoptando os métodos europeus??

minha nossa!!


vou escutá um sambinha!!

tá!

um abraço
inquieto

Responder

Anterior:

Seguinte: