From the daily archives:

Segunda-feira, Agosto 15, 2011

O POTE ESTÁ EM BOAS MÃOS

por Pedro Sousa em 15 de Agosto de 2011

em País

“De cada vez que os anteriores governos fecharam escolas do 1.º ciclo, vieram pais, professores, sindicalistas e autarcas para a rua reclamar o seu direito de ter uma palavra a dizer sobre o futuro das suas crianças. Desta vez, que o ministro da Educação e Ciência Nuno Crato decidiu encerar 297 escolas foram poucos os que refilaram.
A Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) já anunciou que “concorda” com a reorganização da rede escolar; a Confederação Nacional das Associações de Pais “compreende” a necessidade e encerrar os estabelecimentos de ensino perante o decréscimo do número de alunos. E até a Federação Nacional de Educação está convencida de que a decisão “tinha de acontecer”.

Toda agente se riu das cambalhotas cavaquistas na defesa dos impostos lançados por este governo, quando ainda há poucos meses o Presidente da República afirmava haver limites para os sacrifícios dos portugueses. E que dizer da sua quixotesca luta contra as agências de rating, cujo trabalho admirava até recentemente?
Nos tempos que correm o que mais se vê são cambalhotas que ajudam a compreender as verdadeiras intenções dos que atiçavam os diversos sectores da sociedade contra os governos de José Sócrates. É hoje claro que essa luta sem quartel foi desencadeada pelas corporações, na generalidade alinhadas à direita, que controlam o país de facto, e nunca, como nos governos de José Sócrates, sentiram o seu poder tão ameaçado.
Não é pois de estranhar que a Associação Nacional dos Municípios Portugueses – a corporação dos autarcas – ou as corporações da educação, que tocavam a rebate de cada vez que os governos anteriores fechavam uma escola com meia dúzia de alunos, agora não tujam nem mujam quando o governo do PSD/CDS manda encerrar ainda mais escolas do que o governo de José Sócrates previa.
Para quê reclamar, se o pote está em boas mãos?…

José Ferreira Marques

{ 0 comentários }

A HIPOCRISIA DESTE PSD

por Pedro Sousa em 15 de Agosto de 2011

em País

Continuamos sem qualquer medida de redução da despesa. De forma que apelido quase de “sem vergonha”, o PSD continua a fazer de conta (ou terá feito no passado?) que precisa de tempo para preparar a redução na despesa.
Recordemos, no entanto, que em Abril de 2010 o PSD já tinha várias ideias que, de acordo com eles, eram excelentes para reduzir a despesa de imediato. Quem as apresentou é hoje Ministro da Administração Interna.
Qual o limite da hipocrisia deste partido que agora esqueceu tudo o que achava que o PS poderia fazer e – de acordo com Macedo – não queria? É triste e vergonhoso que se comportem assim. Para que não fiquem dúvidas, segue a transcrição das atas da Assembleia da República de 22 de Abril de 2010. Eram, de acordo com este deputado “medida concretas”, que pelos vistos desapareceram…

Assim, em nome do PSD, quero propor hoje, ao País e ao Governo, as seguintes medidas concretas e quantificadas de redução de despesa pública: Primeira, a redução, já em 2010, de 15% do valor total despendido com a rubrica de aquisição de bens e serviços, o que equivale a uma poupança estimada de 1500 milhões de euros; Segunda, a redução, já em 2010, de 50% dos gastos com consultoria e estudos, procurando usar, em alternativa, a capacidade já existente na nossa Administração Pública, o que equivale a uma redução de gastos estimada em 95 milhões de euros; Terceira, a obrigação de utilização de open software em todos os serviços do Estado, poupando, deste modo, dinheiro nas licenças ou, em alternativa, negociando uma licença única para toda a Administração Pública, à semelhança, de resto, do que já sucede noutros países, o que equivale a uma redução estimada de custos no valor de cerca de 40 milhões de euros; Quarta, a redução de despesas do Estado com comunicações, o que equivale a uma redução de gastos estimada em cerca de 60 milhões de euros.
Todas estas medidas concretas e exequíveis de redução de custos equivalem a uma poupança global estimada de cerca de 1700 milhões de euros, ou seja, o equivalente a 1% do PIB.

Assumo que o PSD foi hipócrita em 2010 ou que é hipócrita hoje?

{ 0 comentários }