E SE FALÁSSEMOS DO POLVO DA MADEIRA?

por Pedro Sousa em 18 de Fevereiro de 2010

em País

Enquanto pelo continente não se falava de mais nada senão do «Polvo», título que o jornal Sol deu ao seu dossiê sobre as escutas, o director do Diário de Notícias da Madeira, Luís Calisto, escrevia um texto digno de nota sobre a liberdade de expressão naquele arquipélago.

De facto, compreende-se o desespero de quem há décadas protesta contra a «asfixia democrática», de quem entregou queixas na ERC e ao presidente da República, sem obter resposta, ao perceber que a questão que neste momento leva o país ao rubro, é tratada com total indiferença quando acontece lá longe no Funchal. Mais ainda que aqueles que agora bradam contra os perigos para o Estado de Direito, são exactamente os mesmos que quando vão à Madeira fecham os olhos às violações chocantes que ali acontecem. Nomeadamente ao facto de o Governo Regional financiar directamente o Jornal da Madeira, o único que recebe toda a publicidade institucional, e onde Alberto João publica a sua coluna de opinião várias vezes por semana.

Escreve, a linhas tantas, Luís Calisto: «Mas… e se Sócrates, mais do que querer já tivesse comprado a TVI, alimentando-a com dinheiros públicos e proibindo a estação de divulgar a opinião de políticos não PS, reservando toda a antena para quem obedece ao regime rosa, tal como Jardim faz aqui com o Jornal da Madeira, dispensando-se de guardanapo? Fizesse-o Sócrates e o País estaria hoje em situação de guerra civil.» Para, mais à frente, perguntar: «E se Sócrates fizesse como o sr. Jardim, que calunia, insulta e enxovalha directamente os jornalistas com epítetos de corruptos, traidores, comunas, súcias, fascistas, tolos, incapazes, incultos, vingativos, desonestos, gente reles, mentes recalcadas, bastardos, exóticos, incumpridores de estatutos editoriais, ralé que não toma banho? E as jornalistas de vendidas, descompensadas, sovaqueiras. Que seria de um Sócrates cavalgando tal paradigma?»

Para além do mais, para provar o caso da Madeira, nem seriam precisas escutas, nem complicadas diligências, já que Alberto João Jardim faz questão de dizer e fazer tudo às claras. Afinal, sabe que o seu polvo é melhor do que o do continente, como aliás se viu na Lei das Finanças Regionais.

editorial do Jornal Destak

{ 4 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 Azevedo 18 de Fevereiro de 2010 às 12:25

Aconselho, vivamente, a ler a entrevista do PGR na Visão. A questão agora é saber se o país, e os socialistas, aceitam ter um primeiro-ministro com tal ética. Se sim, estamos conversados!
Quanto ao caso da Madeira penso que já deviam há muito de ter posto o Dr. João Jardim na ordem: o que se lá passa é vergonhoso em democracias avançadas.

Responder

2 inquieto 18 de Fevereiro de 2010 às 14:39

olá, vivam!

Fica sempre bem explicar os actos do Sócrates com os do Alberto João!!
No final estrão os dois compreendidos e explicados!
Só não percebo, qual a face, de quem isto defende!

bora lá!

um abraço
inquieto

Responder

3 Pedro Sousa 18 de Fevereiro de 2010 às 17:35

Caro Inquieto,

Não se trata de explicar… trata-se de verificar como alguns partido têm 2 pesos e 2 medidas. Pior… num dos casos é público e assumido. No outro só se suspeita. E o frenesim é enorme sobre a suspeita e nenhum sobre o confirmado.

Responder

4 João Pedro Martins 18 de Fevereiro de 2010 às 20:14

e começavam a aparecer polvos de todo o lado, sendo que o maior ficava mais protegido pelos pequenos e continuava a sua marcha sem ser incomodado…. já que o povo nunca gostou tanto de ser enganado como agora.

Responder

Anterior:

Seguinte: