FREEPORT… E PEDIR DESCULPA, NÃO?

por Pedro Sousa em 24 de Fevereiro de 2010

em País

A imprensa andou tempos e tempo a acusar – sim, ACUSAR – José Sócrates tratando-o como culpado.

Agora que – tal como o Jornal Público noticiou em primeira página – o Ministério Público não encontrou indícios de qualquer prática de crime, esperava-se que a imprensa se retratasse da autêntica caça ao homem que montou e que serviu para vender mais papel.

Curiosamente, no dia em que o Público tem esse tema na 1ª página, o telejornal da TVI nem sequer se refere a ele!

Jornalismo de sarjeta, digo eu há muito!

{ 8 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 f 25 de Fevereiro de 2010 às 11:51

O Sócas já pediu desculpa pelos 150 mil novos empregos que eram para ser e não foram?

Responder

2 F Santos 25 de Fevereiro de 2010 às 22:40

… e pelos 550 mil desempregados em Portugal que não eram para ser e foram?? (em seguimento ao comentário do caro f)

Já agora, P Sousa, depois disto vais voltar a ler o Público? Já faz jornalismo decente, não achas? Até abona a favor do teu supra-sumo, vê lá!

Responder

3 Pedro Sousa 25 de Fevereiro de 2010 às 23:44

Caro F Santos,

Se bem percebo a tua resposta (e a do Frank) o raciocínio é: como acho que o Sócrates mentiu no caso do desemprego, o jornais fazem bem em fazer este tipo de jornalismo. É isso? Se é discordo… os jornais tem um código deontológico e devem ser orgãos de informação e análise. Não são tribunais ad hoc.

As promessas do Primeiro Ministro serão avaliadas em próximas eleições ou então podem os partidos da oposição apresentar uma moção de censura para o derrubar.

Agora, uma coisa nada tem a ver com a outra.

Já agora… não me recordo de ter escrito que não lia o Público. Será que me esqueci ou é mais um devaneio do meu amigo na sua escrita criativa?

Responder

4 F Santos 25 de Fevereiro de 2010 às 22:46

Ah!
E Sócrates pedir desculpa a Arouca pela “não variante”, não?

Responder

5 Pedro Sousa 25 de Fevereiro de 2010 às 23:32

Devia!

Responder

6 F Santos 26 de Fevereiro de 2010 às 11:45

Caro P Sousa
obrigado pelo elogio da escrita criativa. Tento.
Quanto ao devaneio: calculei, se calhar mal, que não lês “jornalismo de sarjeta”, como lhe chamas. Agora que o Público tem novo director e nova linha editorial (aparentemente) julgo que já não ferirá a tua sensibilidade política leres essa publicação. Digo eu!

É óbvio que Sócrates ser mentiroso não tem a ver com a forma que se faz jornalismo. Mas dizes “este tipo de jornalismo”. Que tipo de jornalismo é esse a que te referes?

Responder

7 Pedro Sousa 27 de Fevereiro de 2010 às 16:52

Caro F Santos,

Eu nunca deixei de ler o Público, apesar da sua linha editorial duvidosa, até porque é um jornal onde estão (mas também já saíram ) excelentes jornalistas e cronistas.

O jornalismo a que me refiro é àquele que deixou de ser informativo para passar a ser opinativo. Daquele que coloca em grande destaque na primeira página algo que se prova mais tarde ser mentira, e não aparecer um qualquer pedido de desculpa ou desmentido com o mesmo destaque. Um jornalismo que vive de fontes anónimas, publicando coisas muitas vezes sem investigar ou procurar o contraditório. Entre outras coisas…

Responder

8 F Santos 26 de Fevereiro de 2010 às 11:48

“As promessas do Primeiro Ministro serão avaliadas em próximas eleições ou então podem os partidos da oposição apresentar uma moção de censura para o derrubar.”

Só me ocorre uma valente risada neste momento. Mas vou apenas dizer que concordo contigo…

Responder

Anterior:

Seguinte: