MESMO NA MARMELEIRA HÁ MEMÓRIA

por Pedro Sousa em 7 de Outubro de 2009

em País

Não há volta a dar a esta realidade. Sócrates recebeu uma vitória de mão beijada, que não era difícil de antever a não ser pela cegueira de muitos dos apoiantes de Santana Lopes que, no seu culto da personalidade, nunca admitiram os erros evidentes e a crise para que conduziram o PSD.
Pacheco Pereira, Abrupto, 20-02-05
 
Santana Lopes, mais do que ninguém, usa o nome de Sá Carneiro para se apresentar como seu herdeiro. A atitude que tomou ontem de não se demitir e insistir em aumentar o fogo e as cinzas em que deixou o partido, é o exacto oposto daquela que Sá Carneiro tomaria. É nestas alturas que se vê a dimensão dos homens.
Pacheco Pereira, Abrupto, 21-02-05
 
Se se pretende renovar o PSD, depois de 20 de Fevereiro, dever-se-ia lutar não apenas por um congresso extraordinário mas por um processo que implicasse uma demissão colectiva de todas as estruturas distritais e eleições simultâneas para essas estruturas pelo método das directas em conjunção com a escolha de delegados para o Congresso. Não é impossível de fazer com os actuais estatutos, e daria um abanão a todo o partido, fazendo participar o maior número de militantes numa escolha que irá ser decisiva para a sobrevivência do PSD como grande partido nacional.
Pacheco Pereira, Abrupto, 21-02-05

{ 1 comentário… lê abaixo ou adiciona }

1 joaquim toscano 7 de Outubro de 2009 às 21:49

e afinal…
vamos ou não malhar…
em certos quejandos e venerandos mas que…
não dizem coisa com coisa?
Isto é como no amor, menos conversa e mais porrada!
(gostei de ver no JN o nosso PR dizer “menos lamechice e mais acção”
E certos oppinion-makers, painelistas e paineleiros…deveriam ser ignorados ou
á moda da Inquisiçao…queimados na fogueira,

Responder

Anterior:

Seguinte: