EMBUSTE DE GOVERNO

por Pedro Sousa em 12 de Julho de 2011

em País

“O Programa que agora deixamos à apreciação dos Portugueses resiste a qualquer teste de avaliação ou credibilidade. Tudo foi estudado, testado e ponderado. Consequentemente, as propostas nele contidas são para a levar a cabo e as medidas que nele se apontam são para cumprir. Também nisso queremos ser diferentes daqueles que nos governam e que não têm qualquer sentido de respeito pela promessa feita”

Programa Eleitoral do PSD”

Feito e partilhado com os portugueses há tão pouco tempo, este princípio do programa eleitoral do PSD já foi violado vezes sem conta.

José Sócrates fez algumas alterações ao discurso e não cumpriu alguma promessas, fruto das grandes alterações que foram surgindo.

O PSD, de um claramente impreparado Passos Coelho, já atropelou o seu próprio programa, sem qualquer razão que o justificasse, inumeras vezes.

Que a Europa nos proteja, que com estes srs isto não pode correr bem!

{ 10 comentários… lê abaixo ouadiciona }

1 F Santos 13 de Julho de 2011 às 9:14

“programa eleitoral do PSD já foi violado vezes sem conta.”

A que te referes, concretamente?

Responder

2 Pedro Sousa 19 de Julho de 2011 às 23:35

Por exemplo, ao que diz na página 28 (sublinhado meu)

“Em relação ao aumento das receitas fiscais, o esforço será feito sem aumento de impostos, baseando-se na melhoria da eficácia da administração fiscal, do combate à economia informal e à fraude e evasão fiscal, o que permitirá um alargamento da base tributável.”

Ou como o facto de dizer que o Governo seria mais pequeno e tirou 5 ministros (apesar de no programa referir 10, ficou com 11), mas acrescentou 5 secretários de Estado. Portanto, igual dimensão. “Constituir um governo com menos Ministros, menos Secretários de Estado, menos assessores e menos pessoal de apoio. (pág. 67)

“O Governo do PSD apresentará, no início da legislatura, aos parceiros sociais, uma proposta de um novo modelo de avaliação do desempenho docente” (pag. 97)… parece que já adiaram.

Estou certo que haverá mais que em breve brotarão… é só esperar…

Responder

3 inquieto 16 de Julho de 2011 às 10:27

olá!

estamos todos de volta!
e mais uma vez todos estamos cheios de razão!
afinal, não tínhamos nenhuma razão para mudar!!
bolas!
somos tão…

um abraço
inquieto

Responder

4 F Santos 20 de Julho de 2011 às 8:51

“o esforço será feito sem aumento de impostos, baseando-se na melhoria da eficácia da administração fiscal”
BASEANDO-SE NA MELHORIA DA EFICÁCIA DA ADM. FISCAL!!

Não leias pela metade.

Quanto à avaliação dos professores, há hoje uma notícia que diz que em Setembro já estará em vigor um modelo de avaliação revisto.

Responder

5 Pedro Sousa 20 de Julho de 2011 às 18:05

Não percebi o “grito”… mas da última vez que vi “sem aumento de impostos” significava não aumentar impostos… Mas isso devo ser eu a interpretar mal…

Responder

6 F Santos 21 de Julho de 2011 às 9:15

O grito é pelo facto que, em vez de se aumentar impostos, cria-se excepcionalmente em 2011 uma contribuição extraordinária para cumprir os compromissos com o défice, que os senhores assinaram e com o qual foram os primeiros a comprometerem-se. Dada a urgência da situação só assim se consegue. A seguir, vai procurar-se uma “melhoria da eficácia da administração fiscal, do combate à economia informal e à fraude e evasão fiscal, o que permitirá um alargamento da base tributável.”
Sabes Pedro, os socialistas pegaram fogo ao país e quem vier a seguir que se arranje. Porque será que os países que pediram ajuda ao FMI eram todos governados pela esquerda dita moderada (mais a Espanha, que vai a seguir)?
É típico da vossa parte, deixar o país na ruína e fugir. O Sócrates, que finalmente parece que vai tirar uma licenciatura, emigrou.
Tanto criticaram a Manuela Ferreira Leite, que se fartou de avisar que a dívida do país tornar-se-ia insustentável se o rumo não mudasse.
Ninguém lhe deu ouvidos e, claro, da bancada socialistas choveram coros de críticas e acusações de botabaixismo. Viu-se quem tinha razão.

Responder

7 Pedro Sousa 24 de Julho de 2011 às 22:37

“em vez de se aumentar impostos, cria-se excepcionalmente em 2011 uma contribuição extraordinária”… a semântica no seu melhor…

Responder

8 F Santos 25 de Julho de 2011 às 8:38

Se calhar mais vale uma boa semântica excepcional e pontual que um PEC de 3 em 3 meses…

Responder

9 Pedro Sousa 2 de Agosto de 2011 às 0:34

Já tivemos 1 PEC num mês… agora vem orçamente retificativo… cheira-me a outro… parece que vai ser menos do que 3 em 3 meses…

Responder

10 F Santos 2 de Agosto de 2011 às 8:39

De alguma maneira é preciso dar a volta à embrulhada nas contas que os srs deixaram… para variar.

Responder

Anterior:

Seguinte: